segunda-feira, novembro 22, 2004

Embalo em meus braços

Embalo em meus braços

Tua memória presente

Nos versos que escorrem

Por entre as letras

Escritas com ternura

Na tarde encoberta

Pela névoa da saudade

Que deixaste pairando

No ar que respiro

 

Embalo em meus braços

Um pouco de ti

Da tua ausência

Numa presença irreal

E tão distante

Não quero esta solidão

Que me bate no peito

E não me deixa te esquecer

Não quero nada

E sofro

Enquanto

Embalo em meu braços

a tua ausência

 

 

Piedade Araújo Sol

1 Comments:

Blogger Wendy said...

Mais um dos belos poemas da Piedade aqui publicados.

22 novembro, 2004 19:32  

Enviar um comentário

<< Home

Outras Paragens

  • Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
  • Deco-Pro Teste
  • Inépcia
  • Poesia - As Tormentas
  • Portal do Cidadão
  • Vintage Blogs

  • Confissões de uma mulher de 30
  • Datas na História
  • É um mundo cão este das aparências
  • Hemoglobina Pura
  • Horas Negras
  • Oficina das Ideías
  • Papoilas Que Pingam Algodão Doce
  • Sistema de Blogs da Assembleia de República
  • Tasca da Cultura