quarta-feira, dezembro 01, 2004


Quando a princesa tomou o sapo nas suas mãos e o beijou, teve uma surpresa, mas não ficou a perder tudo...

4 Comments:

Blogger Lia said...

Esse "sapo" eu não engulo, o facto da princesa ter gostado de alguma coisa neste ser asqueroso e nojento. Aquela coisa no meio das pernas é demasiadamente humana, embora já com verdete, para lhe ficar bem. Cá para mim é o resultado de alguma experiência laboratorial, em que cruzaram um homem com um sapo. É claro que os genes eram de tão boa qualidade que no resultado sobressaíram os órgãos onde "habita" a máxima inteligência de cada um dos seres: o sapo inteiro e o cérebro do homem macho.
Tenho dito!

02 dezembro, 2004 18:10  
Blogger PQ said...

:)) Assim é que é. Confesso que hesitei antes de fazer o post mas... o meu espírito experimentalista e o gosto pela provocação, foram mais fortes. Quanto ao lugar-comum expresso no último parágrafo, cumpre-me concordar :))... embora tudo dependa do tipo de princesa que esteja em causa :p

02 dezembro, 2004 18:59  
Blogger Lia said...

Princesa não é sempre princesa?

02 dezembro, 2004 20:04  
Blogger PQ said...

O 'sempre' não existe, princesa.

03 dezembro, 2004 07:36  

Enviar um comentário

<< Home

Outras Paragens

  • Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
  • Deco-Pro Teste
  • Inépcia
  • Poesia - As Tormentas
  • Portal do Cidadão
  • Vintage Blogs

  • Confissões de uma mulher de 30
  • Datas na História
  • É um mundo cão este das aparências
  • Hemoglobina Pura
  • Horas Negras
  • Oficina das Ideías
  • Papoilas Que Pingam Algodão Doce
  • Sistema de Blogs da Assembleia de República
  • Tasca da Cultura